top of page
  • Foto do escritorPortal Entre Elas

"Todas as minhas mortes": artista carioca de projeção internacional Paula Klien estreia na literatura, aos 55 anos, com romance autoficcional

A escritora interrompe as suas criações em artes plásticas para escrever uma jornada literária que desafia limites



A Editora Citadel (Grupo Editorial Citadel) apresenta, no mês do Dia das Mães, "Todas as Minhas Mortes" (176 pág.) de Paula Klien Paula Klien (@paulaklien). O livro será lançado, na mesma semana, em duas cidades. No Rio de Janeiro, o evento acontece no dia 21 de maio, na Livraria da Travessa - Ipanema, às 19h. Já em São Paulo, no dia 24 de maio, na Livraria da Vila do JK Iguatemi, às 19h.


Com uma estilística própria, incisiva e nietzscheana, "Todas as minhas mortes" proporciona, com crueza, aspectos da nossa mais profunda humanidade. A obra centra-se em Laví – protagonista cujo nome peculiar é uma alusão à expressão francesa "La vie" (ou "A vida", em português). Da infância à pós-menopausa, as descobertas e experiências vividas por Laví são tratadas frontalmente e sem rodeios. Paula Klien aborda assuntos complexos da trajetória ontogenética de um ser com uma franqueza desconcertante.  


"Todas as minhas mortes" nos conduz pela construção de uma mulher madura, enquanto aborda seus desafios e frustrações. De súbito, a obra nos joga para uma segunda era na vida da protagonista: um tempo marcado por dores. Em um carrossel de esperanças, desencantos, questões morais do feminino e momentos tenebrosos, as mortes que marcam a vida de Laví conversam com as nossas sombras e revelam uma força descomunal em busca da maternidade.


Trata-se de uma mulher livre que não somente dialoga com os temas mais contemporâneos do feminino, mas que também pode ser um exemplo de resiliência, perseverança e força. Tal qual uma fênix, Laví renasce de cada uma de suas mortes, remetendo aos grandes mitos gregos.


Uma epopeia contemporânea à qual Perséfone dá o tom, "Todas as Minhas Mortes" tem potencial para fundamentar profundas investigações sobre a humanidade no mundo atual. É uma experiência imersa nas profundezas da intimidade feminina. A obra é marcada pela reflexão, pelo pensamento filosófico e por uma sensibilidade poética singular. 



"Todas as minhas mortes é um relato de lucidez insuportável! "

Blurb da psicanalista Maria de Fátima Freire (APERJ) na orelha de "Todas as minhas mortes"

 

"Preparem-se para sentir a poderosa ambivalência que a leitura da narrativa de Paula Klien desperta em nosso mundo interno aparentemente morto."

Arnaldo Goldenberg, psicanalista (SBPRJ), na quarta capa de "Todas as minhas mortes"

 

"Paula Klien presenteia a todos com uma experiência única, íntima, intensa e visceral."Luiz Alberto Py, médico, escritor e palestrante, no prefácio de "Todas as minhas mortes"

 

“Este é o antídoto que procuramos em tempos difíceis, uma estrela-guia na escuridão da mediocridade” Vilto Reis, escritor e roteirista, no posfácio de "Todas as minhas mortes"

 

 

Uma artista de muitas faces: conheça Paula Klien


Nascida em 1968, no Rio de Janeiro, Paula Klien é artista multidisciplinar com significativa projeção internacional no campo das artes visuais. Como artista plástica, trabalha principalmente com técnicas ancestrais. Também atuou como fotógrafa e diretora criativa durante dez anos. Muitas de suas obras estão em acervo de museus e coleções relevantes. Além disso, Paula foi uma das artistas pioneiras no campo da Cripto Arte e dos NFTs (tokens não fungíveis). 


Paula define a escrita como uma paixão antiga, mas conta que só começou a escrever "para valer" em 2022, ano em que deu início ao projeto de "Todas as minhas mortes", sua estreia no mundo literário. Ela justifica sua escolha pelo gênero da autoficção pela possibilidade de apagar a fronteira entre realidade e ficção e pelo seu caráter híbrido, que não pode ser classificado meramente como "relato" e nem como "biografia". 


Escrever o livro, segundo a escritora, “foi um exercício de inteligência para ressignificar experiências pessoais”. Durante o processo de construção, ela reuniu uma pesquisa extensa, que envolveu leituras em etimologia, filosofia, psicanálise e mitologia grega. Ela, que se considera "muito metódica", também é afirmativa a respeito da influência de sua bagagem e experiência de vida, tanto na narrativa quanto na definição de seu estilo literário.


A autora revela que cultiva alguns rituais dentro do seu processo criativo como escritora: "Gosto de acender velas e de chamar bons espíritos para perto de mim antes de começar a escrita". Por fim, Paula revela já ter ideias e títulos registrados para um segundo livro.


Adquira "Todas as minhas mortes" na loja da editora Citadel:



0 comentário

Comments


bottom of page