top of page
  • Foto do escritorPortal Entre Elas

App espião no celular é a forma mais comum de perseguição digital, aponta pesquisa da Kaspersky

Estudo ainda mostra que 70% dos brasileiros não sabem o que é stalkerware ou spouseware, ou seja, desconhecem a existência de programas que permitem saber a localização de alguém em tempo real, ler mensagens trocas em aplicativos e escutar ligações telefônicas



Encontrar sempre a mesma pessoa aonde vamos ou ter a impressão de que nossas conversas no celular -- por voz ou texto -- estão sendo espionadas por alguém são fortes indícios que o crime de perseguição online (ou stalkerware) pode estar acontecendo. Claro que também existe a perseguição física e ambas as formas se completam. Este foi o tema da pesquisa “Stalking online em relacionamentos”, da Kaspersky, que mostra que um em cada quatro brasileiros1 já foi ou está sofrendo um monitoramento abusivo por meio da tecnologia.

O problema da perseguição como uma obsessão é tão sério no Brasil que ganhou a Lei 14.132/21 em 2021. Ela foi aprovada em uma sessão do Senado dedicada a questões femininas e em celebração ao Dia Internacional da Mulher, mas a motivação real é o aumento da violência doméstica contra as mulheres durante o isolamento social na pandemia: o Brasil é o 5º pais com mais feminicídios no mundo.

A questão de gênero está presente no estudo da Kaspersky, mas os resultados brasileiros mostram um cenário mais igualitário na maior parte dos casos. Entre os participantes que afirmaram conhecer o que é o stalkerware ou spouseware (no total, representam 30%), há mais homens (32%) do que mulheres (29%). Já as respostas globais, mostram uma diferença de 5%. Entre quem respondeu não conhecer, a diferença entre os gêneros é de 1% (50% homens -- 51% mulheres, em um total de 50%). O restante (20%) não soube dizer ou não tinha certeza da resposta.

É importante dizer que esse tipo de programa para monitorar conjugues permanece escondido da vítima. Neste contexto, faz sentido que o(a) abusador(a) conheça sua existência. Já a vítima não irá saber do que se trata. Juntando essas características, faz sentido o combate ao stalkerware focar também na proteção das mulheres”, pondera Raquel Marques, presidente da Associação Artemis e doutora em Saúde Coletiva pela Universidade de São Paulo (USP).

Outro dado importante que reforça a importância do tema é a quantidade de pessoas que confirmaram ter sido ou ser vítima de perseguição abusiva que utiliza a tecnologia. Entre os brasileiros respondentes, 25% confirmaram essa situação -- sendo que entre os homens, 22% foram ou são vítimas, e entre as mulheres, 28% foram ou são.

O estudo também aponta as formas mais comuns deste crime, com o monitoramento por meio do celular liderando disparado com 54% das respostas de quem foi/é vítima de stalking. Outras formas incluem o uso de dispositivos criados especificamente para fazer um monitoramento (36%), programas instalados em computadores (24%), espionagem por meio da webcam (14%) e dispositivos para casa inteligente (12%). É importante destacar que 13% das vítimas não souberam responder como a perseguição ocorreu, denotando como o assunto ainda é nebuloso.

Sobre as formas de perseguição online, é importante destacar que o programa stalkerware é instalado, na maioria das vezes, tendo acesso físico ao equipamento, por esse motivo o abuso é sempre feito por alguém próximo à vítima: conjugue, familiar ou, em alguns casos, colegas de trabalho. Esta instalação ocorre de maneira discreta e sem o conhecimento da vítima. E faz sentido o celular estar na primeira posição, já que ele permite o rastreamento da localização junto com o acesso a informações privadas, como chamadas telefônicas, conversas via aplicações e o e-mail”, explica Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

As funções e capacidade de monitoramento dos programas stalkerware também foi tema do estudo. De acordo com os dados no Brasil, o monitoramento das atividades na Internet (79%), as informações sobre localização da pessoa (63%), gravações em vídeo e áudio (53%) e o comando para realizar uma captura de tela são os recursos mais conhecidos. Porém, a minoria sabe que o programa aviso o(a) abusador(a) quando a vítima tenta desinstalá-lo (34%) ou quando ela(e) chega em casa (33%).

Os stalkerware disponíveis para baixar na Internet tem recursos limitados, esses programas foram adequados para uma instalação simples como um jogo ou um programa para editar um texto. Já os softwares com mais recursos são criados e comercializados por empresas e exigem a instalação via acesso físico do dispositivo, com o desbloqueio do celular para obter total controle e acesso das funções”, afirma Assolini.

O especialista ainda destaca falhas de segurança no comportamento das pessoas que facilitam este crime. “Casais costumam informam a senha do smartphone uns aos outros e a pesquisa confirma isso (62% dos respondentes sabem a senha do parceiro e também informou a sua). Outro hábito digital preocupante do ponto de vista da segurança é o compartilhamento de serviços como iCloud e Google Account entre membros da mesma família. 36% dos brasileiros fazem isso e essa é mais uma opção tecnológica para perseguir alguém, já que esses serviços têm recursos de localização geográfica, armazenamento de fotos na nuvem entre outros recursos que podem ser explorados.

A pesquisa “Stalking online em relacionamentos” foi realizada a pedido da Kaspersky pela empresa de pesquisa Sapio de forma online em setembro de 2021 e abrangeu um universo de 21 mil participantes de 21 países, incluindo o Brasil. A motivação da empresa na realização deste estudo e sua posterior divulgação também está relacionada com o segundo aniversário da Coalizão Contra Stalkerware -- entidade que visa combater esta ameaça digital na qual a Kaspersky é cofundadora.

Para conhecer mais sobre o tema, a atuação da Kaspersky nesta área e a Coalizão, acesse a página temática da empresa. Além disso, a Kaspersky junto com a Raquel Marques da Associação Artemis e a delegada de polícia Milena Lima farão o webinar “Entendendo a ligação entre a “espiadinha” online e a violência doméstica”, no próximo dia 25 de maio de 2022.

Para participar, registre-se aqui.

Sobre a Kaspersky

A Kaspersky é uma empresa internacional de cibersegurança e privacidade digital fundada em 1997. Seu conhecimento detalhado de Threat Intelligence e especialização em segurança se transformam continuamente em soluções e serviços de segurança inovadores para proteger empresas, infraestruturas industriais, governos e consumidores finais do mundo inteiro. O abrangente portfólio de segurança da empresa inclui excelentes soluções de proteção de endpoints e muitas soluções e serviços de segurança especializada para combater ameaças digitais sofisticadas e em evolução. Mais de 400 milhões de usuários são protegidos pelas tecnologias da Kaspersky e ela ajuda 240.000 clientes corporativos a proteger o que é mais importante para eles. Saiba mais no site da empresa.

Sobre a Coalition Against Stalkerware

A Coligação Contra o Stalkerware é uma organização dedicada ao combate do abuso e assédio por meio da criação e utilização de stalkerware. Criada em novembro de 2019 por dez fundadores - Avira, Electronic Frontier Foundation, the European Network for the Work with Perpetrators of Domestic Violence, G DATA Cyber Defense, Kaspersky, Malwarebytes, The National Network to End Domestic Violence, NortonLifeLock, Operation Safe Escape e WEISSER RING --, a Coalizão tornou-se uma rede global com mais de quarenta parceiros. Ela procura reunir uma diversas organizações que atuam no apoio a sobreviventes de violência doméstica, defesa de direitos digitais, segurança online e pesquisa acadêmica para atuar ativamente no combate às atividades criminosas feitas por meio de stalkerware e aumentar a conscientização pública sobre a importância deste problema. Devido à alta relevância social para as pessoas em todo o mundo, com novas variantes de stalkerware surgindo periodicamente, a Coalition Against Stalkerware está aberta a novos parceiros e pede cooperação. Para saber mais sobre a Coalition Against Stalkerware, visite o site oficial da entidade.



0 comentário

Comments


bottom of page